30 de setembro de 2013

Outubro Rosa: Contra o Câncer de Mama

Boa a iniciativa.
Fato que deve ser sempre lembrado visando evitar e, na impossibilidade disso, buscando a detecção precoce desse que é um dos maiores fantasmas a rondarem o universo feminino.

Prevenção
Mobilização contra câncer de mama 'pinta' Congresso Nacional de rosa
Mobilização 'Outubro Rosa' ocorre em vários países a partir de amanhã

Brasília – "Tem início amanhã (1°) o Outubro Rosa, movimento mundial de mobilização pela conscientização sobre a importância da detecção precoce do câncer de mama. O slogan da campanha - “Acenda sua consciência” - é uma referência à iluminação rosa que o Congresso Nacional receberá neste mês.

O movimento remete à cor do laço rosa que simboliza, mundialmente, a luta contra o câncer de mama. O evento iniciou-se na década de 1990, nos Estados Unidos, e chegou ao Brasil em 2008, por iniciativa da Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama).

O movimento prevê ações durante todo o mês em várias cidades do País. Em Brasília, outros monumentos serão iluminados por iniciativa do governo do Distrito Federal e do governo federal, que, assim como a Câmara e o Senado, preveem uma programação especial durante o mês."
Fonte: Rede Brasil Atual

29 de setembro de 2013

Duas boas palestras: Mudanças nas relações amorosas e na gestão da vida / É preciso enfrentar a dor: diferentes modos ontem e hoje



Excelente palestra do Psicanalista Contardo Calligaris com participação do ator Ricardo Bittencourt.
É um vídeo um pouco longo para os padrões do blog (sempre preocupado com o pouco tempo livre dos nossos leitores) mas é interessante e captura o expectador logo nos primeiros momentos.
Talvez valha a pena perder um capítulo da novela para assistir... : ) 
Um boa ideia na palestra é que o Psicanalista se utiliza de músicas e filmes para desenvolver os temas.
Sinopse: 
"Momento de concluir: a crise pela qual passa o homem hoje transforma as relações amorosas? Como? E, se ela promete o começo de uma nova gestão da vida, isso ocorre em qual direção?"



Fonte: Instituto CPFL/Cultura

Para quem não se interessou muito pelo assunto acima (ou viu e gostou) segue a segunda palestra.

"A psicanalista Regina Herzog apresenta o modo como o sofrimento se expressa nas patologias atuais, apontando as diferentes formas de se defender da dor. Se antes o sujeito vivia a dor quase como uma punição merecida para as suas culpas, nos dias atuais a timidez, a vergonha e as compulsões aparecem como modos de enfrentar/fugir da dor, escondendo de si e do outro uma sensação aguda de fragmentação.
Gravado em 30 de agosto de 2013."

É preciso enfrentar a dor: diferentes modos ontem e hoje

Tempo de Solidão (filme)



Vejam o que selecionei para hoje.
Interessante curtíssima metragem (12 minutos) que traz visuais deslumbrantes, questões existenciais (solidão na multidão das grandes cidades x solidão junto da natureza) e até um suspense ao final.
Trata-se do momento de uma jovem mulher, marcada por uma existência ao mesmo tempo solitária e agitada em Nova York e que espontaneamente decide fazer um retiro em um lago nas profundezas das Adirondacks (vejam o que é logo a seguir).
Assistam em tela cheia clicando nas setinhas no lado inferior direito.

Wikipedia: As montanhas Adirondack são uma cordilheira do estado norte-americano de Nova Iorque que ultrapassa os 1200 metros de altitude em 40 dos seus picos, culminando nos montes Marcy (1628 m), Mclntyre (1557 m), Skylight (1500 m), Haystack (1498 m) e Dix (1475 m). São formados por rochas cristalinas e ricos em minérios de ferro (magnetites); contêm também granito, mármore, titânio e talco.
Formam a linha que divide as águas do rio São Lourenço e do Hudson. São abundantes os lagos, distinguindo-se entre eles o lago Champlain (193 km de comprimento, por 24 km de largura), lago George, lago Little Tupper, lago Raquette, lago Fulton Chain e outros. É uma região turística muito famosa, sobretudo para o turismo esportivo.


28 de setembro de 2013

Sobre o "deus mercado" que organiza a economia e a felicidade

Muitos o acham um governante "pitoresco" ou "velho ultrapassado", alvo de piadas por morar em um pequeno sítio com uma casinha humilde, andar em um velho fusca e usar roupas simples.
No entanto talvez seja ele o chefe de estado mais importante a ser ouvido neste mundo quase caótico e cada vez mais sem rumos em que vivemos.
Com sua humildade ele deu uma lição esta semana na ONU sobre o que é mais importante: a vida das pessoas, aprisionadas pelo "deus mercado", entre outras colocações que nos atinge a todos.
Ele é José Mujica, Presidente do Uruguai.


Mujica critica sociedade capitalista em discurso na ONU

"O presidente do Uruguai, José Mujica, criticou duramente o consumismo durante seu discurso na 68º Assembleia Geral da ONU, em Nova York, nesta terça-feira (24/09). “O deus mercado organiza a economia, a vida e financia a aparência de felicidade. Parece que nascemos só para consumir e consumir. E quando não podemos, carregamos frustração, pobreza e autoexclusão”, afirmou.

No discurso, que durou 40 minutos, ele também elogiou a utopia “de seu tempo”, mencionou sua luta pelo antigo sonho de uma “sociedade libertária e sem classes” e destacou a importância da ONU, que se traduz para ele um “sonho de paz para a humanidade”.

Aos jornais uruguaios, Mujica prometeu um “discurso exótico” e fugiu do protocolo ao dizer que “tem angústia pelo futuro” e que nossa “primeira tarefa é salvar a vida humana”. “Sou do Sul (...) e carrego inequivocamente milhões de pessoas pobres na América Latina, carrego as culturas originárias esmagadas, o resto do colonialismo nas Malvinas, os bloqueios inúteis a Cuba, carrego a consequência da vigilância eletrônica, que gera desconfiança que nos envenena inutilmente. Carrego a dívida social e a necessidade de defender a Amazônia, nossos rios, de lutar por pátria para todos e que a Colômbia possa encontrar o caminho da paz, com o dever de lutar pela tolerância”.

A humanidade sacrificou os deuses imateriais e ocupou o templo com o “deus mercado, que organiza a economia, a vida e financia a aparência de felicidade. Parece que nascemos só para consumir e consumir. E quando não podemos, carregamos a frustração, a pobreza, a autoexclusão”. No mesmo tom, ressaltou o fracasso do modelo adotado no capitalismo: “o certo hoje é que para a sociedade consumir como um americano médio seriam necessários três planetas. Nossa civilização montou um desafio mentiroso”.

Para o presidente, o atual modelo de civilização “é contra os ciclos naturais, contra a liberdade, que supõe ter tempo para viver, (…) é uma civilização contra o tempo livre, que não se paga, que não se compra e que é o que nos permite viver as relações humanas”, porque “só o amor, a amizade, a solidariedade, e a família transcendem”. “Arrasamos as selvas e implantamos selvas de cimento. Enfrentamos o sedentarismo com esteiras, a insônia com remédios. E pensamos que somos felizes ao deixar o humano”.

Paz e guerra
“A cada 2 minutos se gastam dois milhões de dólares em insumos militares. As pesquisas médicas correspondem à quinta parte dos investimentos militares”, criticou o presidente ao sustentar que ainda estamos na pré-história: “enquanto o homem recorrer à guerra quando fracassar a política, estaremos na pré-história”, defendeu.

Assim, criamos “este processo do qual não podemos sair e causa ódio, fanatismo, desconfiança, novas guerras; eu sei que é fácil poeticamente autocriticarmos. Mas seria possível se firmássemos acordos de política planetária que nos garantam a paz”. Ao invés disso, “bloqueiam os espaços da ONU, que foi criada com um sonho de paz para a humanidade”.

O uruguaio também abordou a debilidade da ONU, que “se burocratiza por falta de poder e autonomia, de reconhecimento e de uma democracia e de um mundo que corresponda à maioria do planeta”.

“Nosso pequeno país tem a maior quantidade de soldados em missões de paz e estamos onde queiram que estejamos, e somos pequenos”. Dizemos com conhecimento de causa, garantiu o mandatário, que “estes sonhos, estes desafios que estão no horizonte implicam lutar por uma agenda de acordos mundiais para governar nossa história e superar as ameaças à vida”. Para isso é “preciso entender que os indigentes do mundo não são da África, ou da América Latina e sim de toda humanidade que, globalizada, deve se empenhar no desenvolvimento para a vida”.

Pensem que a vida humana é um milagre e nada vale mais que a vida. E que nosso dever biológico é acima de todas as coisas, impulsionar e multiplicar a vida e entendermos que a espécie somos nós” e concluiu: “a espécie deveria ter um governo para a humanidade que supere o individualismo e crie cabeças políticas”."

Fontes: Opera Mundi e Portal Vermelho

27 de setembro de 2013

Sob a Sombra dos Sobreiros

Raramento tenho paciência para ver - hoje em dia - os programas da Globo.
Quando tenho (pouco) tempo livre para ver TV vou direto conferir as gravações arquivadas das emissoras por assinatura que deixo programadas.
Mas na Globo ainda tem coisa boa. E normalmente são aqueles programas que já estão no ar há muito tempo. Dois exemplos: Globo Repórter (sexta-feira) e Globo Rural (nas manhãs de domingo e que é reprisado na GloboNews às 17 horas do mesmo domingo).
Toco neste assunto porque no domingo passado o Globo Rural fez uma matéria especial sobre vinhos, melhor dizendo sobre as rolhas das garrafas de vinho, melhor dizendo sobre o cultivo das árvores de onde vem a cortiça. Na boa terrinha: Portugal.
Muito interessante.

Wikipedia: "O sobreiro, sobro, sobreira ou chaparro (Quercus suber) é uma árvore da família do Carvalho, cultivada no sul da Europa e a partir da qual se extrai a cortiça. O sobreiro é, juntamente com o Pinheiro-bravo, a espécie de árvores mais predominante em Portugal, sendo mais comum no Alentejo litoral e serras Algarvias.
É devido à cortiça que o sobreiro tem sido cultivado desde tempos remotos. A extração da cortiça não é (em termos gerais) prejudicial à árvore, uma vez que esta volta a produzir nova camada de "casca" (súber) com idêntica espessura a cada 9 - 10 anos, período após o qual é submetida a novo descortiçamento. O sobreiro também fazia parte da vegetação natural da Península Ibérica, sendo espontâneo em muitos locais de Portugal e Espanha, onde constituía, antes da acção do Homem, frondosas florestas em associação com outras espécies, nomeadamente do género Quercus.
A finalidade da cortiça é o fabrico de isolantes térmicos e sonoros de aplicação variada, mas especialmente na produção de rolhas para engarrafamento de vinhos e outros líquidos. Portugal é o maior produtor mundial de cortiça."

Resolvi fazer este post porque quando vi a matéria me lembrei que o Luiz Felipe Muniz, em uma viagem que fez à Portugal em 2010 (acho), postou algumas fotos de uma localidade em que estava à passeio e entre elas havia uma em close de um tronco de um Sobreiro (ou Sobreira). Consegui achar e reproduzo abaixo as fotos.
Na época o Luiz Felipe fez um comentário breve e disse que voltaria ao assunto mas não sei se conseguiu. Pelo menos eu não achei. Mas fica o registro. 

Luiz Felipe Muniz: "De Setúbal - terra de Bocage - ao Oceanário em Lisboa, passando pelos Sobreiros - de onde se extrai a casca para cortiças e rolhas para os vinhos tradicionais - na estrada e por Alcácer com seu ninhos de cegonhas...depois contamos com calma! "

E aí deu vontade de conhecer Portugal. Quem sabe um dia... Com uma esticada na Inglaterra, França, Espanha, Itália, etc. : )

Olha ele aí, com a casca (cortiça) recortada





A Corrida Presidencial 2014

Como sempre, tem gente se mordendo de raiva com o resultado da pesquisa de intenção de voto divulgada ontem pelo Ibope.
Nós aqui já tínhamos dito que uma pesquisa feita no calor daqueles protestos não eram confiáveis, muito menos permanentes. Até porque houve uma excelente reação de Dilma naquele momento, mesmo com a mídia jogando contra.
Aos poucos as coisas estão voltando aos seus devidos lugares.

Musa da Semana: Zsuzsanna Ripli

E porque hoje é sexta-feira...
Segunda semana consecutiva com uma uma estrangeira.
Não que aqui no Brasil estejamos atravessando um momento de entressafra.
Pelo contrário.
Mas é sempre bom conhecermos a alma feminina de outros países.
Não acham?
E essa é da Hungria.
Hungria?!
Onde fui buscar tão longe a beleza de Zsuzsanna Ripli...
Tem vinte e poucos anos. Modelo. Posou duas vezes para a Playboy húngara.
Apenas mais um excelente motivo para fazer turismo em Budapeste.
Boa viagem para quem pode.
Nosostros ficamos apenas com as imagens. Pelo menos por enquanto.
Enjoy.








26 de setembro de 2013

Humor de Quinta: Procura-se este mecânico

Rádios Comunitárias sem licença: uma interessante decisão do STF

Lá pelo início dos anos 1990 cheguei a participar como convidado em programa de uma rádio comunitária. Quer dizer, como não era legalizada, era chamada de "rádio pirata". Sei que cumpria todas as exigências legais mas não conseguia obter a licença. A burocracia era enorme e acredito que ainda seja.
Depois a Anatel chegou detonando e fechou todas que existiam. Me lembro que era uma emissora voltada para a cultura e para a comunidade e eu fui lá para mostrar um pouco de música contemporânea desconhecida da maioria das pessoas, massacradas por essas músicas descartáveis impostas pela grande mídia.
Hoje, rodando pelo dial, percebo que ainda existem muitas rádios ilegais, infelizmente com pouca cultura e pouca comunidade.
Mas tem gente séria com vontade de fazer algo de bom, preencher um nicho, cumprir a lei, disseminar cultura e conhecimento, ajudar e alertar as comunidades mas que esbarram em uma lei que praticamente inviabiliza a legalização.
A decisão do STF sobre um caso específico, comentada em matéria do NPC a seguir, pode ser um novo capítulo na história das "rádios clandestinas" ou "rádios livres" no Brasil.
Defensoria Pública da União impedindo fechamento de uma rádio  livre em 2011
STF descriminaliza rádios comunitárias sem licença
"Uma decisão da segunda turma do STF considerou insignificante a transmissão de radio sem autorização, o que ate então era tratado como crime. O Supremo Tribunal Federal acatou o pedido da Defensoria Pública da União (DPU) em favor de um comunicador comunitário do Amazonas. Ele foi denunciado pelo Ministério Público com base no Artigo 183 da Lei 9.472/97, que prevê pena de dois a quatro anos de prisão para quem desenvolver clandestinamente atividades de telecomunicação.

O caso percorreu várias instâncias do Poder Judiciário até chegar ao Supremo. De acordo com a Segunda Turma, o acusado não deveria responder processo em função do princípio da insignificância, por meio do qual a Justiça não pode ser acionada em casos de menor gravidade, onde não há grande risco para a sociedade.

A decisão abre precedente para novos julgamentos de radialistas populares."

Ouça a entrevista com o defensor Público da União, Esdras Carvalho, sobre o assunto:

25 de setembro de 2013

A ressaca moral da imprensa

Não é mole não meu irmão. Análises como esta que reproduzimos a seguir, do Observatório da Imprensa, comprovam aquilo que costumamos mostrar aqui e que as vezes parece que estamos exagerando ou forçando à barra, batendo na mesma tecla.
No artigo, de Mudanças Climáticas ao boicote dos Conselhos Regionais de Medicina, passando pela criação de novos partidos de aluguel (e apoio ao PSDB) até à Ação Penal 470, vulgo "mensalão".


A ressaca moral da imprensa
Por Luciano Martins Costa, no Observatório da Imprensa
"Estão estampadas na primeira página dos principais diários brasileiros imagens do tornado que atingiu a cidade paulista de Taquarituba, matando dois moradores e deixando mais de 350 desalojados. Os jornais também discutem alguns efeitos das mudanças climáticas, como as tempestades extremas que estão se tornando mais intensas e rotineiras no Brasil. O tema ganha ainda mais destaque porque o incidente no interior de São Paulo coincide com os relatos sobre o primeiro dia de debates dos cientistas que participam da 6ª edição do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas, na Suécia.

Mas não é desse tipo de tempestade ou do aumento das temperaturas médias do planeta que estamos tratando. Assim como acontece nos dias seguintes, nos lugares devastados pelas tormentas, a imprensa brasileira parece estranhamente silenciosa, neste começo de semana. Os títulos das reportagens estão mais contidos, artigos passam a sensação de terem reduzido a costumeira praga dos adjetivos, e editoriais soam quase conciliatórios.

Em resumo, os jornais parecem ter despertado em plena ressaca moral, após uma semana em que todas as redações se empenharam em convencer um ministro do Supremo Tribunal Federal a mudar seu voto sobre a aceitação de recurso na Ação Penal 470.

Entre os assuntos mais polêmicos dos últimos meses, resta nas primeiras páginas apenas o programa Mais Médicos, com uma novidade interessante: depois de haverem oferecido amplos espaços e até estimulado o boicote promovido pelas associações médicas, os jornais mudam de posição e passam a contabilizar os prejuízos causados no sistema de saúde pelo movimento corporativista dessas entidades.

O caso mais interessante é o do Globo, que durante a recepção dos primeiros profissionais vindos do exterior chegou a publicar títulos jocosos que claramente procuravam desmoralizar o programa. Na terça-feira (24/9), o jornal carioca tem como manchete um balanço dos estragos produzidos pelo corporativismo das entidades médicas. “De norte a sul do Brasil, a cena foi a mesma: médicos formados no exterior chegaram para o trabalho no Programa Mais Médicos, mas não puderam atender ninguém porque os Conselhos Regionais de Medicina não concederam os registros provisórios”, diz o texto na primeira página.

Depois dos excessos

Também na Folha de S.Paulo e no Estado de S.Paulo há reportagens descrevendo a rotina dos médicos que estão impedidos de trabalhar enquanto os pacientes formam filas nos postos de saúde.

De maneira quase unânime, os três principais diários de circulação nacional induzem o leitor a condenar a atitude das associações profissionais de saúde, sobre as quais pesa a responsabilidade pelos problemas criados com a falta de atendimento nos lugares mais pobres do país.

O que teria mudado na orientação das redações, que até poucas semanas mal conseguiam dissimular o regozijo pelas dificuldades na implantação do programa de emergência?

Com todos os riscos presentes na análise da linguagem jornalística, pode-se dizer que os jornais estão refluindo de uma posição de confronto aberto contra o governo federal para uma tática menos antagônica. Registre-se, por exemplo, uma reportagem da Folha denunciando suspeita de falsificação de assinaturas na proposta de criação do futuro partido Solidariedade, iniciativa do sindicalista Paulo Pereira da Silva, que já controla o PDT em São Paulo.

Sabendo-se que o sindicalista pretende colocar a nova agremiação a serviço da candidatura presidencial do senador do PSDB Aécio Neves, que, de modo geral, tem contado com amplas simpatias na imprensa, o esforço de investigação da Folha merece atenção.

Diz o jornal que o projeto de partido está viciado até mesmo por fraudes nas assinaturas de chefes de cartórios. No entanto, o texto fica restrito aos fatos, não avançando na discussão sobre o sistema que permite a composição de siglas a granel, que no fim das contas vão engrossar o esquema de sangria de verbas públicas e venda de tempo de campanha na televisão.

De modo geral, os jornais de terça-feira lembram o dia seguinte das grandes bebedeiras, quando o indigitado festeiro tem que se haver com os efeitos do álcool e o desconforto moral que vem depois do vexame.

O fato é que a aceitação dos embargos infringentes no STF expõe um ponto polêmico do julgamento da Ação Penal 470: a teoria do domínio do fato. Depois de aplaudir essa interpretação da corte, que serviu para aplicar duras penas aos condenados, as redações começam a se dar conta das consequências que podem vir de tal jurisprudência.

Se a moda pega, muita gente com pendências na Justiça vai perder o sono."

A Alemanha é mesmo um paraíso?


A chanceler Angela Merkel foi reeleita no domingo passado. 
É considerada a mulher mais poderosa do mundo na atualidade ao comandar a terceira maior economia do planeta.
Para mim, é a "dama de ferro" do século XXI.
Quero dizer que o que é bom para Alemanha não é necessariamente bom para outros países. Perguntem aos gregos.
Mas mesmo na Alemanha as coisas não andam tão maravilhosas assim como quer mostrar a mídia à serviço da direita. 
Pelo menos para uma parte da população. E dá para adivinhar quem: os mais pobres e os aposentados mais humildes.
Alguém paga a conta de sua ortodoxia de arrocho. E são sempre os mesmos.



Os baixos salários e os elevados índices de pobreza na Alemanha
Da RFI
Modelo contra a crise, Alemanha tem baixos salários e pobreza elevada
Por Lúcia Müzell

"Atrás do título de maior economia da Europa e quarta maior potência mundial, a Alemanha esconde uma realidade muitas vezes difícil sob o ponto de vista social: o país tem índices elevados de pobreza e os baixos salários foram um dos principais temas da campanha eleitoral para as eleições legislativas do último domingo. Os social-democratas queriam instaurar um salário-mínimo na Alemanha, algo que não existe no país.

De acordo com o Instituto Federal de Estatísticas da Alemanha Destatis, 15,8% dos alemães correm o risco de ficar pobres, contra 14% na França ou na Suécia. A média europeia é de 16,9%. Os aposentados são os mais atingidos pelo problema, muitos deles com rendas mensais que não chegam a 952 euros, considerada a linha de pobreza no país. A queda da demografia alemã só piora situação, por mais que o país tenha se aberto à imigração profissional.

As regras trabalhistas flexíveis e o baixo custo da mão de obra, em comparação com a vizinha França ou outras economias ricas da Europa, são algumas das chaves para explicar a alta competitividade do país e os baixos índices de desemprego, apesar da crise internacional. Isso só é possível porque, na Alemanha, os salários são negociados diretamente entre os sindicatos e os empresários.

Mas esta situação está sendo cada vez mais questionada, como explica Sabine Le Bayon, especialista na economia alemã do Observatório Francês da Conjuntura Econômica, ligado à Sciences Po, em Paris. “Sentimos cada vez mais, nos últimos anos, que a pressão está aumentando. Inicialmente, somente alguns sindicatos apoiavam um salário-mínimo legal como na França, imposto pelo Estado. Mas pouco a pouco, mais sindicatos foram se unindo a esta causa, enquanto uma parte dos empresários está menos reticente”, explica. “Além disso, a opinião pública está vez mais sensível a este assunto porque vários estudos mostram, por exemplo, que há quase 2 milhões de alemães que ganham menos do que 5 euros por hora, 22% dos assalariados ganham pouco na Alemanha, contra 6% na França, e tem muitas pessoas em trabalhos precários que ganham extremamente mal e que não têm os mesmos benefícios.”

Sabine Le Bayon acha que dificilmente a Alemanha vai passar a ter um salário-mínimo, mesmo que a chanceler Angela Merkel, reeleita no domingo, forme uma aliança com os social-democratas. Reformas no sistema de negociações trabalhistas, entretanto, devem ser feitas para evitar salários baixos demais, o que estava comprometendo o consumo interno na Alemanha.

“Nos últimos dois anos, com a lenta retomada do comércio internacional e com as taxas de desemprego muito baixas, os sindicatos estão conseguindo negociar bons aumentos salariais nos setores industriais, que se repercutem parcialmente no restante dos assalariados. Isso faz com que o consumo interno esteja mais dinâmico do que antes”, afirma. Graças à sua indústria forte, a Alemanha é a segunda maior exportadora mundial de bens de consumo, atrás da China."
Fonte: GGN

Bruce Springsteen Rio 2013

Ainda dá para falar do Rock in Rio, né?!
Como já havíamos previsto aqui - e independente de gostos musicais - o veterano boss Bruce Springsteen, com sua energia (aos 60!), carisma e repertório (e mais a ótima E Street Band) fez o melhor show do Rock in Rio 2013.
E, como acontece com todos que vem aqui pela primeira vez, ficou encantado com o público brasileiro e prometeu voltar em breve.

24 de setembro de 2013

Marina, no limite entre ficar para 2018 ou se queimar em 2014

Mais uma sobre as eleições de 2014. Só essa. Por enquanto.
Por Helena Sthephanowitz
Publicado 23/09/2013
"A ex-senadora Marina Silva deixou o Partido Verde (PV) em julho de 2011, já estudando formar um novo partido. O tempo foi passando sem que nenhuma iniciativa concreta fosse tomada e políticos simpatizantes interessados em acompanhá-la a cobraram antes das eleições municipais de 2012, quando faltava pouco mais de um ano para o prazo limite da criação de uma legenda a tempo de disputar a eleição de 2014. Ela disse a interlocutores parlamentares que deixaria a questão para 2013, esperando as eleições municipais passarem, para avaliar melhor a conjuntura.
Àquela altura o deputado federal Alfredo Sirkis (PV-RJ) disse que "ainda não estava clara a disposição de Marina Silva em criar o novo partido".
Só no final de fevereiro deste ano foi  iniciada a coleta de assinaturas para criar a chamada Rede Sustentabilidade. Praticamente sete meses para coletar 492 mil assinaturas, validá-las nos cartórios eleitorais e registrar a documentação necessária até o próximo dia 5 de outubro. O prazo era sabidamente curto.
Marina alega que colheu assinaturas suficientes e procura jogar a culpa na Justiça Eleitoral por eventual dificuldade em reunir quase 500 mil assinaturas válidas em um tempo muito pequeno. O Tribunal Superior Eleitoral recusa dar um "jeitinho", pois além do absurdo que seria um tribunal descumprir a lei, viraria uma farra a criação de qualquer partido no Brasil, ao dispensar o cumprimento das exigências legais mínimas.
Marina ameaça até recorrer ao Supremo Tribunal Federal caso o TSE não conceda o registro a tempo. Mas ora, a lei é igual para todos e para o partido de Marina não pode ser diferente. Há vários partidos no Brasil que demoraram anos para serem criados. Alguns passaram duas eleições sem poder disputar porque ainda não tinham cumprido as exigências.
Caso não consiga, em um último esforço concentrado, cumprir as exigências, Marina Silva tem a opção de ingressar em outro partido até o dia 5 de outubro para se candidatar em 2014, ou terá de levar adiante o projeto de criar sua Rede independentemente do calendário eleitoral, possivelmente viabilizando-o para as eleições seguintes.
Mas aí ela terá de enfrentar outro problema: ingressar em outra legenda para disputar a presidência da República é a desconstrução da própria imagem política que Marina tenta emplacar. Primeiro porque parecerá que ela estaria usando uma legenda de "aluguel", contrariando todo o discurso contra as formas de fazer política que chama de convencionais – e frisemos que não estar claro em quê a Rede Sustentabilidade seria diferente dos demais partidos neste quesito.
Segundo, porque deixará politicamente órfãos quem se mobilizou na criação da Rede Sustentabilidade, desiludindo sua própria militância. Terceiro, porque iria para a campanha passando a imagem de que fracassou em seu projeto, afinal se não conseguiu mobilizar eleitores suficientes para endossarem a criação da legenda que ela própria diz considerar necessária, o cidadão eleitor questionará se um eventual governo Marina Silva também não desandaria.
Ficou complicada a situação da candidata a candidata, sem dúvida. E não adianta culpar o TSE."
Fonte: Rede Brasil Atual

PSdB

Para quem não é adepto do PT e acha que o PSB é uma boa opção à esquerda, é bom pensar bem antes de votar em 2014.
Poderemos ter um PSDB volume II ou apenas PSdB, bem à direita.

As reais razões do PSB para entregar cargos e desembarcar do governo
"Notícia saída no fim de semana no Painel político da Folha de S.Paulo: o cálculo eleitoral contribuiu decisivamente para apressar o desembarque do PSB do governo. É que o partido negocia alianças com o PSDB em 21 Estados em 2014.
Um alinhamento com os tucanos, frisa bem a editora do Painel, Vera Magalhães, em colégios eleitorais importantes, como São Paulo, Minas e Rio Grande do Sul, e em três dos seis Estados governados pelo PSB, Pernambuco, Paraíba e Piauí. Só em seis dos 27 Estados, acentua a nota, a aliança preferencial do PSB é com o PT para 2014.
A notícia traz uma boa análise, mas essa constatação do Painel é o óbvio e há muito tempo é um fato mais do que conhecido. Começando por São Paulo, Minas e Paraná, onde os socialistas são e sempre foram aliados dos governos tucanos de Antônio Anastasia (MG), Geraldo Alckmin (SP) e Beto Richa (PR).
Em São Paulo, aliás, o PSB só deixou a aliança preferencial com os tucanos por um curto interregno no ano passado, quando aliou-se ao PT para a eleição, na capital paulista, do prefeito Fernando Haddad (PT).
São fatos que a Folha de S.Paulo e a mídia em geral sempre esconderam, ou nunca deram maior destaque, porque para elas ruins e susceptíveis de críticas são sempre as alianças fechadas pelo PT no plano federal.
Criticam alianças partidárias feitas pelo governo Dilma Rousseff com determinados partidos, mas passam batido, escondem quando estes mesmos partidos se aliam ao tucanato no plano estadual."
Fonte: Blog do Zé

23 de setembro de 2013

Veteranas de Guerra

Este vídeo foi feito em 2012 pela Fundação SOS Mata Atlântica e vale a pena rever.
Os nichos de Mata Atlântica que sobraram ao longo de nosso litoral realmente nos fazem pensar que essas velhas árvores são sobreviventes, veteranas de guerra.

Sobre José Dirceu (e por tabela todo o julgamento do "mensalão"): "Há uma questão de consciência que deveria se sobrepor(...)"

Por que só agora Ives Gandra disse que Dirceu foi condenado sem provas?
Por Paulo Nogueira em 23/09
"Data vênia, eu gostaria de saber por que só agora, tanto tempo depois, o jurista Ives Gandra disse publicamente que Zé Dirceu foi condenado sem provas.

A afirmação de Gandra foi o ponto alto de uma entrevista que ele concedeu à jornalista Mônica Bérgamo, da Folha. A entrevista é um dos assuntos mais discutidos neste final de semana na internet.

Gandra teve todas as oportunidades possíveis para dar sua opinião – influente, vistas suas credenciais de jurista e, mais ainda, sua conhecida falta de simpatia pelo PT.

Poderia ser num artigo, poderia ser numa entrevista – chances não faltaram.

Por que agora e não antes? Lembremos: no final do ano, Dirceu estava com as malas prontas para ir para a cadeia. Se as coisas seguissem o rumo que parecia que seria tomado, a declaração de Gandra seria um insulto a mais a Dirceu, dada a sua extemporaneidade.

Minha impressão é que Gandra, de alguma forma, sabia que as portas da mídia sempre tão abertas se fechariam para ele caso defendesse Dirceu e acusasse o STF de má conduta.

Se ele pensou isso, estava mais que certo. A mídia tradicional – excetuada, aqui e ali, a Folha – só dá espaço a quem escreve o que os donos querem que seja dito.

Gandra seria posto na geladeira, como provavelmente acontecerá agora. Ou alguém imagina que a Veja vá dar Amarelas com ele para expor seus pontos, entre os quais, aliás, figura um elogio tórrido à “coragem” de Lewandowski em ficar sozinho contra a manada? Alguém concebe Gandra em qualquer programa de entrevistas da Globonews ou da CBN?

Gandra provavelmente não quis se opor à, bem, à manada comandada pela mídia.

Mas.

Mas há uma questão de consciência que deveria se sobrepor. Foi o que fez Celso de Mello ao acolher – sob massacrante pressão da mídia e de pares como Marco Aurélio de Mello e Gilmar Mendes – os chamados embargos infringentes.

É possível que, de alguma forma, Celso de Mello tenha inspirado Gandra.

Por isso, ainda que esta seja uma hipótese, seguem aqui os aplausos ao decano do STF.

Clap, clap, clap.

De pé."

Fonte: Diário do Centro do Mundo

22 de setembro de 2013

Nosso olhar, nossa janela para o mundo (e a Primavera)

Uma meditação - via cenas cinematográficas - sobre o "belo, catártico e transcendente potência" do momento final baseado em últimas cenas de filmes, montando um paralelo com um pensamento sobre a nossa janela para o mundo e além dele: nosso olhar. 
E a evolução dele em relação ao que nos cerca. Quase uma poesia em imagens.
A relação dos filmes inseridos são mostradas depois do vídeo de cinco minutos.
Em tempo: também como registro e em homenagem à Primavera que começou no exato momento em que publico este post.



PART I: Awakening/Creation
00:02 - Tree of Life
00:13 - Vanilla Sky
00:16 - Immortals
00:18 - 12 Monkeys
00:21 - McCabe & Mrs. Miller
00:24 - Julia's Eyes
00:33 - Solaris
00:39 - 2010: The Year We Make Contact
00:42 - THX-1138

PART II: The Natural World
00:47 - Badlands
00:51 - Up In The Air
00:56 - Samsara
01:00 - The Sea Inside

PART III: Youth
01:07 - The World According To Garp
01:11 - Billy Elliott
01:15 - This Is England
01:17 - La Dolce Vita
01:19 - Au Revoir Les Enfants
01:23 - Dead Poets Society
01:26 - A Serious Man
01:30 - L.I.E
01:34 - Gasman
01:38 - The Sweet Hereafter

PART IV: Love
01:44 - Bram Stoker's Dracula
01:50 - Moonstruck
01:56 - Beginners
02:03 - Rushmore
02:08 - Garden State
02:14 - Rocky
02:20 - Oldboy
02:25 - Departures
02:30 - Amelie
02:33 - Tron Legacy

PART V: The Journey
02:38 - The Graduate
02:43 - Good Will Hunting
02:47 - Boys Don't Cry
02:50 - Tron
02:55 - The Quiet Earth
02:59 - The Searchers
03:03 - Ghost
03:06 - Cube

PART VI: Triumph
03:12 - Beasts of the Southern Wild
03:19 - Chariots of Fire
03:23 - L'Auberge Espagnole
03:26 - Amadeus
03:30 - The Red Balloon
03:36 - Frida
03:39 - Adaptation

PART VII: Celebration
03:44 - My Left Foot
03:46 - Fearless
03:48 - City Of Angels
03:50 - The Breakfast Club
03:52 - Rescue Dawn
03:56 - Rudy
03:58 - The Hurricane

PART VIII: Transcendence
04:01 - The Wrestler
04:03 - Thelma & Louise
04:06 - The Right Stuff
04:08 - Love (by Angels & Airwaves)
04:12 - Close Encounters of the Third Kind
04:14 - Star Trek: The Motion Picture
04:15 - Superman
04:17 - E.T.: The Extra Terrestrial
04:21 - Starman
04:24 - Naqoyqatsi
04:26 - Akira
04:28 - Stargate
04:34 - 2001: A Space Odyssey
04:44 - The Last Temptation of Christ

LG 84" Ultra Reality HDTV

Não demora as janelas vão sumir e ninguém vai querer saber do mundo real.
São aqueles filmes de ficção-científica dos anos 60 e 70 tornado-se realidade.
De qualquer forma, a sacada do comercial (tipo "pegadinha") foi boa.



21 de setembro de 2013

Alguns recados de Paulo Coelho

Como todos sabem, Paulo Coelho é o escritor brasileiro de maior sucesso no exterior.
Sua influência internacional ultrapassa o ramo literário.
Costuma ser convidado para essas reuniões e congressos onde estão presentes as pessoas mais importantes do mundo.
Muitos não gostam disso. Não o veem com essa bola toda.
Não dá para tê-lo como "super-especial", mas ele sabe como poucos trazer de volta ensinamentos de antigos sábios que andam esquecidos neste mundo onde nada realmente importante parece ter mais importância.
Hoje resolvi trazer uma pequena coleção de posts de seu blog para que nossos 17 leitores possam, quem sabe, também parar para dar uma refletida, ainda que rapidamente. 
Inseri algumas imagens que não constam dos posts originais.

Prece Orientada
"O médico Larry Dossey, em seu excelente livro Healing Words (Palavras que Curam), nos fala da atitude diante da doença:

“Muita gente confunde a prece com inatividade, desistência, incapacidade de reagir à doença. Mas, se entrarmos no mundo silencioso da prece vamos descobrir uma misteriosa ponte entre oração e enfermidade. Uma pode interferir na outra”.

“Atrás da aparente tranquilidade de quem reza, existe uma ação sutil que as pessoas excessivamente ativas não conseguem distinguir. A prece aceita sem ser passiva, luta sem ser agressiva”.

“Conheço muitos santos que morreram jovens, de doenças atrozes”.

“Conheço homens maus que viveram muito, e morreram placidamente. Saúde  não tem a ver com santidade. Mas, na minha experiência médica, já vi que a atitude de devoção e aceitação podem fazer milagres”."

Mudança
O homem santo reuniu os seus amigos: “Estou velho”, disse ele.

“E sábio”, respondeu um dos amigos. “Sempre te vimos rezando durante todo este tempo. O que conversas com Deus?”
“No começo, eu tinha o entusiasmo da juventude: pedia a Deus que me desse forças para mudar a humanidade. Aos poucos, percebi que isto era impossível, então passei a pedir a Deus que me desse forças, mas para mudar quem estivesse à minha volta”.

“Agora já estou velho, e a minha oração é muito mais simples. Peço a Deus o que devia ter pedido desde o começo”.

“O que pedes?”, insistiu o amigo.

“Peço para que consiga mudar a mim mesmo”.

Deus Surdo
O guerreiro da luz vê-se, de vez em quando, andando pelas ruas sem qualquer destino. Nestes momentos, ele pensa:

“Nada do que planejei está acontecendo. Dei o melhor de mim, segui meus sonhos, fui fiel a Deus. Entretanto, as coisas parecem não caminhar para frente, os esforços não estão sendo recompensados”.

“Deus parece que está surdo e não escuta minha voz”, diz o guerreiro com uma certa amargura.

Neste momento, a melhor coisa que ele deve fazer é sentar-se num bar e pedir um café. Depois de alguns momentos irá entender que o tempo de Deus não é igual ao seu tempo.

Em algum lugar do Universo, milhares de anjos estão se movendo e caminham para ajudar todos aqueles que seguem seu coração.

Reorganizando o tempo
Texto tirado do livro “Timeshifting – Reorientando o Tempo”, Ed. Rocco, de Stephan Rechtschaffen, médico que fundou o bem sucedido Omega Institute em New York.

“Atuando diante das emoções negativas: quando nos sentamos em um sofá, ligamos a televisão (que na verdade, é uma maneira de “desligar-se” do mundo), ou então ficamos extremamente ansiosos, achamos que estamos perdendo tempo, que precisamos telefonar para alguém, fazer ginástica, arrumar a casa. Por quê? Porque se ficarmos quietos, toda a onda de emoções reprimidas irá nos atacar, nos deprimir, nos deixar tristes ou culpados.
“Mas quanto mais nos “ocupamos”, mais estas emoções se acumulam, até que um dia corremos o risco de vê-las explodir sem controle.

“Sim, todos nós temos nossos problemas, que precisam ser encarados – por que não fazer isso hoje? Parar. Pensar. Eventualmente sofrer um pouco, mas no final, entender quem somos, o que sentimos, o que estamos fazendo aqui, neste momento – ao invés de querer ficar determinando a Agenda da Vida. “

Cair e Levantar-se
O argentino M. Moreno, da Kamuzawa, fala da luta de judô:

“A harmonia e a repetição dos mesmos movimentos estabelecem um vínculo entre o corpo e a mente, que – embora difícil de conse­guir – é bastante tangível. Não há outro segredo que trabalhar, cair, e tornar a levantar-se”.

“É preciso vencer o pior dos inimigos: a si mesmo”.

“É preciso entender a dinâmica própria da vida: crise, queda, maturidade com a queda, e nova iniciativa”.

“É preciso saber aproveitar a força do oponente; a conseguir ficar sem ser notado, e saber vencer discretamente”.

“E a melhor maneira de aprender é emprestar seu corpo para a luta com adversários fortes. O fraco não vai lhe ensinar nada”.

20 de setembro de 2013

O assunto é música: LPs raros digitalizados e disponibilizados


Uma boa atividade-passatempo para este fim de semana, para os amantes musicais (quer dizer, amantes da boa música e colecionadores). Acima dos 50.

Seguindo o Princípio de Jack, vamos por partes.


1 - Pode parecer inacreditável, mas houve um tempo não muito distante em que não existia Internet, mp3, CDs, tocadores portáteis, smartphones, pen-drivers, etc. Existiam os LPs, Fitas K7 e Rádio AM.
Para a maioria os LPs eram muito caros e a saída era buscar custo-benefício. Comprar LPs que oferecessem mais músicas, com mais sucessos, de diversos artistas.
O mercado então apostou nas coletâneas. Havia gravadoras especializadas nisso, como a K-tel, que não deve existir mais há muito tempo. Aliás era a campeão em conseguir colocar até 20(!) hits (sucessos musicais) em um único LP. Vendia muito.
Outras boas coletâneas (que existem até hoje em forma de CD) eram as trilhas das novelas. Mas existiam muitas outras séries de gravadoras diferentes: "Saudade Não Tem Idade", "Sua Paz Mundial" (Mundial era uma emissora AM de imenso sucesso), "As 14 Mais", "Music Master", "Hit Machine", etc. etc.

2 - Esses discos marcaram a juventude de muita gente, hoje na faixa etária dos 50 anos. Com o tempo se perderam e nunca chegaram a ser relançados em CD. Muitas músicas desapareceram e não se encontram nem para comprar de forma avulsa na Internet. Isso quando se lembra o nome do artista ou da música.

3 - Eu tinha muitos desses LPs que perdi em um ataque já relatado aqui diversas vezes. Seres alienígenas em forma de cupins destruíram em menos de uma semana cerca de dois mil dos meus LPs. Até hoje frequento psicoterapia tentando me livrar do trauma. Tenho medo de um novo ataque alienígena que vai destruir minhas roupas, aparelhos de som, móveis e o resto de minha coleção, mas dessa vez incluirão também CDs, DVDs, Blu-Rays, games, livros, etc.

4 - Não houve iniciativa oficial ou privada (com caixa externa, preferencialmente) até hoje que tenha relançado no mercado essas preciosidades.

5 - Luz no fim do túnel: gente que pode ser tachada (atenção: é com "ch" e não com "x") de louca, mas que são verdadeiros anjos. Simplesmente pegam sua coleção e vão digitalizando e disponibilizando na Internet (sem envolver nenhum elemento financeiro) para os órfãos que perderam seus discos e parte de sua memória afetiva.
E, garanto, não é fácil. Exige conhecimento, dedicação, tempo e boa vontade.

6 - Esta semana descobri um blog que é o melhor até agora dos quais já visitei. O abnegado digitaliza, filtra, refaz capas, equaliza, coloca tags e ilustrações em cada disco e em cada música, etc. etc.
Lá encontrei muitos dos discos Pop/Rock que perdi e de quebra aquela memória que falei.

5 - O endereço? Está aqui ao lado direito do blog, nas Sugestões. É o Só Música.
Uma dica: para fazer o download, olhe nos comentários de cada post. Ali tem o endereço e eventualmente uma senha. 
E precisa de um programa descompactador para usar depois de baixar. Tudo simples.
Acho que a psicoterapeuta vai me dar alta!



Musa da Semana: Hattie Watson

Porque hoje é sexta-feira...
Confesso que não pesquisei muito sobre a nossa Musa da Semana.
A não ser as fotos, é claro. E os vídeos da bela ruiva.
Ao que parece é americana (talvez inglesa), modelo fotográfica, gosta de tatuagens e sua fama está se fazendo via sites na Internet. Deve ter uns 22 anos.
Uma jovem ruiva misteriosa que posta diversos vídeos no Vimeo e acende a curiosidade de homens e mulheres.
Há contradições do seu rosto angelical, com sardas juvenis, em relação à postura de gata atrevida, tatuagens agressivas e nudez sem maiores pudores, com uma naturalidade invejável.
Com vocês, Hattie Watson. Algo de diferente. E bom.










19 de setembro de 2013

Para quem está acompanhando o Rock in Rio...

...seja indo aos shows, seja via TV, começa hoje a parte do festival que pode ser chamada mesmo de Rock.
Ainda que com atrações já muito manjadas, salvo boas exceções.
Repete-se o Sepultura com os Tambours du Bronx mas o mais interessante vais ser a banda no Palco Sunset no domingo atuando com... Zé Ramalho!!
Tem os grunges do Alice in Chains, o onipresente Metallica e a surpresa do festival: os suecos do Ghost (crianças, evitem). No Sunset, destaque para o Rob Zombie.
Amanhã salva o Ben Harper com o Charles Musselwhite e no sábado o grande (e clássico) Bruce Springsteen.
No domingo, tanto no Palco Mundo como no Sunset tem coisas interessantes, embora - como já citei antes - gente manjada, mas com bons shows: Halloween, Iron Maiden, Slayer, etc.
Depois disso é esperar que em 2015 haja mais criatividade na seleção. Um boa dica é fazer um link com o primeiro Rock in Rio (1985, o melhor de todos) já que o festival estará completando 30 anos.


Bruce Springsteen


Três multinacionais - BP, BG e Exxon - fogem do leilão de Libra


Três multis fogem do leilão de Libra: será que está caindo a ficha, pessoal?

19 de setembro de 2013
"Para entender o que é isso, peço sua paciência para uma introdução necessária sobre o que significa essa desistência.

Compreendo todas as boas e patrióticas intenções de alguns – só de alguns – brasileiros que desejam ver adiado o leilão do megacampo de petróleo de Libra.

Acho, apenas que não deveriam dizer adiar ou suspender, mas cancelar e anular, porque o que querem – e eu também quereria, se fosse possível – é a entrega direta do campo à Petrobras, como sugeriu o geólogo Guilherme Estrela, o maior responsável pela descoberta do pré-sal e um homem a quem este país deveria homenagear em praça pública.

O caso é o seguinte: a Petrobras não tem dinheiro, sozinha, para uma empreitada destas.

Tem todo o resto: tecnologia, capacidade operacional, condições de projetar e encomendar equipamentos e de gerir e administrar sua instalação.

Mas para o dinheiro, não tem soluçao sozinha.

Tomar emprestado em bancos ou lançando títulos no mercado internacional é endividar a companhia acima do limite prudente. Muito acima, aliás.

A outra alternativa é a composição de um consórcio empresarial onde ela, operadora exclusiva, é ressarcida de investimentos e gastos operacionais na proporção da sociedade ou até maior, com a eventual transferência de parcela da produção futura.

O que vai definir a qualidade desta composição são o tipo do interesse do parceiro e seu timming.

É por isso, e não por informação privilegiada, que há tempos se está afirmando aqui que uma associação dos os chiineses é o caminho natural. Eles tem sobrando capital e faltando petróleo seguro, por conta de seu crescente consumo e sua dependência, em pouco mais de 50%, de petróleo árabe (Arábia Saudita, Irã, Iraque, Omã e outros).

É nesse quadro que entra a crise aberta com os Estados Unidos por conta da espionagem no Brasil.

As empresas americanas e a eles associadas – Chevron, Exxon, BP, Shell, as remanescentes das “Sete Irmãs”  ficaram sem condições políticas de formar um consórcio exclusivo capaz de enfrentar o capitaneado pelo Brasil. Tanto é assim que a Folha, agora à tarde, anuncia a decisão da BP, BG e Exxon de não participarem do leilão.

E desistiram por uma única razão: sabem que não vão levar. Como as demais sabem que não irão, se não forem procurar um espacinho na composição entre a Petrobras e os chineses.

A pergunta é: quando haverá condições políticas tão favoráveis ao Brasil num leilão deste porte? E se amanhã oes entreguistas não estiverem tão emporcalhados como hoje ou até, deus nos livre, voltem ao poder?

É por isso que este Tijolaço defende o leilão já. Se fosse possível, amanhã.

Porque adiar é meio caminho andado para perder."

Por: Fernando Brito (no "Tijolaço")

China, Brasil e Libra


Do blog Tijolaço.

Reuters confirma que chineses vão se aliar a Petrobras por Libra
19 de setembro de 2013
"Ontem à noite a Agência Reuters confirmou o que este blog antecipou há duas semanas: a Petrobras articula uma associação com a chinesa Sinopec para vencer o leilão dos 70% do Campo de Libra, o maior do pré-sal, no dia 21 de outubro.

Segundo a agência, a participação dos chineses se daria  através da portuguesa Galp e da espanhola Repsol, “que podem compor um consórcio com a Petrobras, afirmaram à Reuters fontes com conhecimento direto do assunto”. A Sinopec já tem forte participação nas subsidiárias das duas no Brasil.

Diz a reportagem:

“A presidente da Petrobras, Maria das Graças Foster, conversou com executivos da Sinopec em viagem recente à China, disseram duas fontes à Reuters, na condição de anonimato.

“Parece que ela convenceu os chineses a participar do leilão, porque, após sua ida à China, a Sinopec mudou de ideia… Eles não queriam entrar no leilão antes dessa visita”, afirmou uma das fontes.

A viagem da presidente da Petrobras à China durou cerca de dois dias e ocorreu há aproximadamente um mês.”

A viagem ocorreu, mas a história não é essa.

Claro que, por tudo o que já se explicou aqui, os chineses querem petróleo até na Lua, se houver. Não apenas precisam dele para mover sua expansão industrial e urbana como precisam diversificar suas fontes – Oriente Médio, Venezuela e Angola – para conseguir estabilidade política e financeira.

Toda a questão está no arranjo de negócio, que eles querem ser o mais possível comprometido com a venda de petróleo futuro.

Foi por isso e na condição de emissária do Governo brasileiro e, mais, da própria presidenta Dilma Rousseff, que Graça foi à China.

Algumas pessoas não estão compreendendo duas obviedades.

A primeira é a de que a Petrobras precisa de aporte de capital para explorar um campo de oito, talvez até doze bilhões de barris, porque já está comprometida com um programa de investimentos próprios que soma US$ 280 bilhões em quatro anos.

É óbvio que ela terá de explorar todas as conjunções geopolíticas para conseguir esse capital com o menor custo e sem perder a hegemonia  no consórcio exploratório. E a China é a melhor delas. Eles estão ciscando, tanto que a outra estatal chinesa a CNOOC, entrou e depois saiu do leilão anterior e já comprou os editais de Libra. CNOOC e Sinopec agem separadamente, mas ambas seguem as decisões do governo chinês.

E é com o governo chinês que o acordo, operado via empresas, se dará. Ninguém sabe o formato definitivo do negócio e se haverá também a participação de outras empresas – fala-se muito na norueguesa Statoil, estatal como o nome indica.

A segunda obviedade é que o leilão de Libra não é o de concessão de uma estradinha qualquer. Terá regularidade técnica, jurídica e econômica, mas não vai sair, como dizia a minha avó, no vai da valsa.

A  Reuters diz que Graça Foster afirmou “que somente duas pessoas conhecem a estratégia completa da Petrobras para a licitação da área de Libra: ela e o diretor de Exploração e Produção, José Formigli”.

Faltou a terceira pessoa, que está examinando isso quase todo santo dia e que define até onde vai – e vai longe – a ousadia com que a Petrobras vai encarar o leilão.

Dilma Vana Rousseff, presidenta do Brasil."

Por: Fernando Brito

Humor de Quinta: Charges da Semana