24 de setembro de 2014

Afinal, o que Dilma vem fazendo em seu governo?

Mesmo não sendo filiado a partido nenhum, na medida do possível acompanho política mesmo em anos que não tem eleição.
Tomando isso como base era para eu estar sabendo de tudo ou quase tudo que Dilma Rousseff fez em seu mandato.
Pois tenho me surpreendido a cada programa eleitoral com as ações no campo social e realizações grandiosas em diversas áreas.
Algumas eu até sabia, mas não a tinha a exata dimensão.
Fico pensando sobre as pessoas não tão ligadas em acompanhar política. Essas então deveriam imaginar que Dilma fez muito pouco. A não ser que estivessem inseridas em algum programa de apoio social.
De quem é a culpa? A grande mídia com sua má vontade com o governo só tem apostado em notícias negativas.
Confiram no site Manchetômetro.
Ainda bem que estamos podendo conferir agora no horário eleitoral.
Um exemplo que me surpreendeu ontem no programa foi a grandiosidade de algumas obras - como as da área de energia - e dos benefícios que vão trazer a todos os brasisleiros.
Vale a pena assistir e se orgulhar da capacidade brasileira.




Aproveitando a oportunidade, a pergunta que não quer calar: tomando como base o histórico de cada uma, qual dupla vale mais a pena optar? Por motivos óbvios, eu já oPTei!


Outra que não quer calar sobre os programas na TV do PSDB:


3 comentários:

Anônimo disse...

Está mais que provado que os nossos meios de comunicação criaram uma Marina virtual, um produto velho numa embalagem nova para ser devorado numa onda de consumismo, como estas novidades que aparecem na TV: as sandálias da Xuxa, as bandeiras nacionais que superlotam as lojas durante jogos da copa do mundo, cornetas que surgem como epidemias na época de carnaval, chocolates no tempo de Páscoa. A onda de consumo do produto Marina está passando e tem que passar, porque quem o analisa vê claramente que não tem conteúdo, não só por ela, mas principalmente por aqueles que estão com ela, que nada somaram quando estiveram no governo. Marina durante 24 longos anos como deputada estadual, senadora e ministra e Aécio durante 33 longos anos esteve no jogo político como secretário do avô Tancredo, deputado estadual e federal, governador de Minas e Senador e onde estão os seus legados de fato. Se os tem, porque não mostram em seus programas ao invés de passar o tempo todo malhado Dilma e o PT? Esta campanha deveria ser decidida no primeiro turno para o bem de todos e felicidade geral da nação.

Paulo Henrique Amorim disse...

Dilma na ONU: Globo boicotou

Quem manda não ter uma Ley de Medios?

A Presidenta do Brasil abriu a mais importante Assembléia da mais importante Organização (não são as Organizações Globo) do mundo, a ONU.

É uma forma de o Brasil, anualmente, diante de Chefes de Estado e Embaixadores de todos os países do mundo contar o que tem feito – ela falou da politica de “crescer, incluir, conservar e proteger”, que marca os Governos Lulilma – e como conduz a política externa do país.

De novo, ali em Nova York, um palco privilegiado de Israel, ela condenou o uso “desproporcional” de força de Israel contra os palestinos em Gaza.

Mas, nada disso interessou ao principal canal de notícias 24 horas do país, a GloboNews.

Dilma falava ao mundo e a GloboNews tratava do aborto.

Em seguida, uma colonista (ver o ABC ) que se refere ao Governo como “eles” analisava uma pseudo-pesquisa, ou, como se diz aqui, essa usina de manipulação .

O presidente Obama, que na ONU falou depois de Dilma, na GloboNews entrou no ar, ANTES da Dilma.

Claro, precedência é para ser respeitada …

A Globo interdita o noticiário, para envenená-lo.

Contra os presidentes trabalhistas – de Vargas, a Jango, Brizola, e Lula até Dilma.

Mas, ela nao ganha eleição.

Só servia para dar Golpe.

Paulo Henrique Amorim

Paulo Henrique Amorim disse...

Uma aula: as pesquisas do PiG são manipulação!

As pesquisas demitem os repórteres e trocam fato por dado que elas mesmas criam

Nenhum país do mundo se deixa aprisionar em só dois institutos nacionais de pesquisa eleitoral.

Nenhum país do mundo tem uma rede de televisão que:

– contrata as duas pesquisas;

– fixa a data de coleta das informações;

- e decide quando, como e se vai exibir os resultados

(Sim, porque, muitas vezes, as pesquisas chegam a uma conclusão e sai outra no PiG…)

Em nenhum país do mundo existe uma rede de televisão como essa, que detém 80% da receita publicitária da tevê aberta, com menos de 40% da audiência.

E a tevê aberta ainda é 50% de toda a publicidade brasileira.

Logo, essa rede fica com R$ 0,40 de cada R$1 investido em publicidade em todo país.

Do tijolinho para vender moto em Brumadinho (onde mora o Governador Aécio Neves, que, nos dois dias da semana em que vem aqui, não dorme em BH), a um outdoor na Avenida Antônio Carlos.

(Aplausos frenéticos !, modestamente,)

Nenhum país do mundo põe resultado de pesquisa em manchete de jornal impresso.

Nenhum país do mundo põe resultado de pesquisa em manchete de telejornal.

E nenhum país do mundo os jornalistas e articulistas de “Política” se dedicam a “analisar” essas duas pesquisas, meses a fio.

Em nenhum país do mundo a imprensa divulga tantas pesquisas nos dias que precedem a eleição: não há dinheiro para isso !

Em muitos países do mundo – como na Inglaterra – é proibido fazer pesquisa “boca de urna”.

Nos Estados Unidos, calcula-se que, numa eleição presidencial, existam cerca de CEM pesquisas de âmbito nacional diferentes.

E os programas de computador que tentam ponderar as cem pesquisas para chegar a um resultado só … ERRAM.

Em nenhum país do mundo os institutos de pesquisa chegam na véspera da eleição e dizem que há “empate técnico”.

Em nenhum país do mundo se manipula a opinião publica com pseudopesquisas quanto no Brasil !

(Aplausos frenéticos, modestamente.)

E por que os jornais fazem tantas pesquisas ?

Porque eles demitem os repórteres e passam a “cobrir” as suas próprias pesquisas.

Sai mais barato.

E é mais fácil manipular.

Trocam informação por “pesquisa”.

Trocam “fato” por “dado” que elas mesmas produzem.

Ou seja, criam a sua própria realidade para “cobrir”.

E dizem que é a realidade do espectador, do leitor.

Em São Paulo, por exemplo, o PiG praticamente ignorou – quando não boicotou – a política do prefeito Haddad de cortar a cidade com ciclovias.

(São Paulo não tem o MOVE http://www.bhtrans.pbh.gov.br/move de Belo Horizonte, que, de forma exemplar, transporta uma massa de passageiros de bairros pobres para o centro.)

Um dia desses, uma dessas “pesquisas” descobriu que noventa por cento dos paulistanos aprovam as ciclovias.

Mas, como se esse mesmo jornal não contou aos leitores que elas existiam ?

Como diz o meu blog Conversa Afiada, essas duas pesquisas tupiniquins tem uma margem de “erro” ou “de acerto” tão flexível quanto bum-bum de assistente de palco: aumentam ou diminuem com as necessidades.

(Aplausos frenéticos !, modestamente.)

No inicio das campanhas, as pesquisas e, não, os bumbuns, ajudam os candidatos que precisam largar acelerados, vigorosos, para demonstrar invencibilidade.

Em São Paulo, o Cerra sempre larga imbatível.

Ele é amigo da casa.

Como o Aécio é do jornal O Estado de Minas …

(Aplausos frenéticos !, modestamente.)

No meio das campanhas, as pesquisas são muito úteis a candidatos que precisam mostrar aos financiadores que são viáveis.

No finalzinho da campanha, o objetivo é manipular a opinião, mesmo !

Como agora, por exemplo.

Esses institutos pigais precisam demonstrar, por “a” mais “bê”, que vai ter segundo turno, quando elas e a rede de televisão que as divulga poderão continuar a … manipular !

Mas é que em nenhum país (sério) do mundo se permitiu não fazer uma Ley de Medios !

(Aplausos frenéticos, modestamente.)

(Trechos de uma palestra do ansioso blogueiro em Belo Horizonte, na Uni BH, nesta terça-feira, 23/09.)